O corpo dela não é seu


Arquivado em , , , , ,
O corpo dela não é seu. Nem de ninguém mais. Isso mesmo: é dela. Ela resolve o que fazer com seu cabelo, sua barriga e qualquer outra parte. Nem você, nem eles, nem eu temos poder sobre o corpo dela. Fácil na teoria, difícil na prática.

Quantas vezes você já julgou alguém por usar um short curto? Ou, sendo mais razoável: quantas vezes você já se perguntou por que aquela menina, simplesmente, não fazia uma dieta para emagrecer? Por que a garota não parava de usar uma estampa tão fora de moda?

Nós temos mania de se apodar do outro. De achar que ele nos pertence, mesmo que seu rosto, suas curvas e seu sorriso nunca tenham feito parte do nosso dia-a-dia. Achamos que o mundo inteiro precisa ser do nosso jeito. Ou se encaixa nos nossos padrões ou é ruim, errado. Quem disse?

Quando nossas opiniões afetam a vida de outras pessoas, devemos parar e refletir o que estamos fazendo. Ser contra a descriminalização do aborto, à igualdade entre homens e mulheres, continuar achando que a culpa é da vítima, não do agressor, e puni-la por usar um vestido "curto" ou estar sozinha à noite em algum lugar, é algo que deveria ficar aí: dentro de você. Lembra uma vez que te disseram na escola que todos nós temos preconceitos? Ninguém é livre de julgar. A diferença é o que você faz com sua opinião.

E daí se a mina abortou ou tem direito de abortar? E daí se ela pega outra garota? E daí se ela está acima do padrão de beleza e se acha maravilhosa? E daí se ela quer curtir a vida, seja pegando dez na mesma noite ou guardando-se para o cara que ela escolheu viver suas aventuras?

Enquanto a gente colocar nossa opinião como bem maior, nunca vamos avançar. Ninguém te obriga a ser gay se você não for. Você pode continuar sendo uma hétero feliz e deixar um homo ser, também. Quem ele beija ou com quem ele transa não faz dele um ser inferior, nem digno de agressões (físicas ou verbais). O que deveria valer nesse julgamento é nosso caráter, como tratamos as outras pessoas e o que fazemos aos outros.

Se você é contra o aborto, tudo bem. É contra usar vestido curto, tudo bem. Não quer sair com vários caras, tudo bem, também. Apenas não aborte, não vista essas roupas e não saia com todos que aparecer. Você tem direito de ter sua opinião. O que não vale é me obrigar a pensar da mesma forma.

Mulheres sofrem todos os dias sendo vítimas de estupro, assédio no transportes, gravidez indesejada, julgadas como ser inferior e censura de ser ela mesma, de se entender. Nós temos que seguir um padrão que nem sabemos por que existe. Não temos autonomia do nosso próprio corpo. Não temos livre escolha de quem vai tocar nossos lábios, nossas pernas, nossos seios. Não temos direito de escolha. "Fez, pagou", é o que dizem. Criminalizam-nos por ter uma vagina ao invés de um pênis. E ainda querem nos punir por querer mudanças.

Não estou aqui para impor o que eu acho - até porque acabei de dizer que ninguém deve fazer isso. Escrevi este texto porque acho importante, acima de tudo, que a gente saiba respeitar o próximo, deixá-lo livre para fazer o que quiser com o que tem, e não culpá-lo por isso. Cada um é feliz da sua forma e cada um precisa de um espaço no mínimo agradável para isso. Precisamos ter nossa opinião e não deixar que ela afete o próximo. Só queremos ter escolha. E poder sobre o que somos, queremos e esperamos do mundo. É pedir demais?

Infelizmente, às vezes parece que sim.

Por que eu não me apaixonaria por você?


Arquivado em , , , ,
A vida é tão engraçada. A gente acha que tá tudo bem até aparecer uma pessoa que vira as coisas de cabeça pra baixo. E isso não é ruim. Às vezes nós estamos vivendo do lado avesso e é preciso alguém para nos colocar na direção certa.

Você apareceu nesse momento. Eu jurava que estava tudo certo. Foi preciso você vir para me mostrar que eu poderia ser ainda mais completa. Já tinha aprendido a não depender do amor, a sorrir além dele. O único amor por aqui tinha nada a ver com o que você me apresentou. Era tão novo que, no início, juro que senti medo de me jogar. Mas me joguei. São essas surpresas que tornam tudo melhor.

A gente deixou que nosso sentimento ficasse ainda mais intenso. Tudo se tornou mais fácil, mais natural, ao seu lado. Ainda bem. O gostoso do amor é isso: não tentar ser outra pessoa, ser você. Não ter vergonha de usar aquela sua blusa favorita só porque é velhinha. Ou até se importar menos em usar a camisa xadrez dele. Trocar o salto por um tênis naqueles dias que você só quer se sentir confortável - e saber que não só você se achará linda, ele também.

Mesmo não sendo possível viver um romance de filme todos os dias, a gente sabe que o amor só cresce. Nem sempre dá para conhecer uma praia legal ou receber um buquê de flores com cartão. Mas cada pequeno segundo do dia-a-dia torna uma delícia se apaixonar. E cada vez mais.

Você faz de tudo para me ver bem. Arranca um sorriso meu até quando quero chorar. Naqueles dias de TPM, me oferece chocolate e seu ombro para reclamar da vida. Aceita até que eu reclame de você. Briga comigo quando eu quero desistir do que gosto - e não deixa que eu faça essa besteira. Me ajuda em meus planos e até sonha comigo. Me dá sua mão naqueles momentos quando sinto que vou cair (às vezes, literalmente). Não deixa passar um dia sem dizer que me ama. Cuida do meu corpo com carinho, como se fosse um diamante a zelar. Do meu coração, com cuidado, como se pudesse quebrar a qualquer momento. Você aceita que eu seja eu mesma, sem me limitar. E até ama tudo isso (por mais estranho que possa ser).

Nós somos incríveis quando estamos juntos. Sua boca se encaixa perfeitamente na minha e posso sentir seu coração bater forte a cada vez que elas se juntam. Já se passou tanto tempo, mas as borboletas ainda dançam em meu estômago sempre que você está por perto. Talvez a paixão não tenha ido embora. Que fique por muito tempo.

Como eu não me apaixonaria por você, quando a gente se completa tão bem? Seria impossível não acontecer. Quando penso na vida, não me imagino com outra pessoa. Não que eu seja sua dependente, mas seria difícil me acostumar a não tê-lo em meus dias. O vazio que se completou - e eu nem sabia existir até você chegar - voltaria. E seria difícil lidar com ele.

A menina de um ano atrás mudou muito. E sei que você, também. Aprendemos coisas novas juntos. Aí que tá a graça da vida. Gosto de lembrar do começo, quando éramos dois bobos apaixonados sem ideia do que iria acontecer. E é gostoso saber que, mesmo não sabendo ainda, eu tenho uma ideia melhor do futuro.

Não sei o que está por vir. Mas se for com você, tudo bem. Que venha.

Saga ruiva: Majirel 7.4, minha tinta favorita do momento!


Arquivado em , , , , ,
E aí que eu mudei de tinta há três meses e só agora apareci no blog para mostrá-la e continuar minha saga ruiva (acompanhe aqui). Calma, calma! Eu explico: quis deixar esse tempinho para ter uma opinião formada sobre a cor, saber se ela iria desbotar muito, etc. E agora venho contar a vocês que descobri minha tinta favorita da vida: a Majirel 7.4.

Eu conhecia essa tinta apenas por nome, já que várias ruivinhas por aí usam e adoram. Queria muito testar mas nunca a encontrava. Até que achei a marca em uma loja de cosméticos de São Vicente e precisei comprar! Então, foi só amor, tanto amor, que fiz um post mega especial, cheio de fotos para mostrar essa beleza a vocês <3 Espero que gostem e se apaixonem junto comigo.




A tinta não ressecou meu cabelo após a aplicação e deixou uma cor muito linda. Ela fica quase um "ruivo natural" e não é um laranja exagerado. Outra coisa que gostei foi das variações da cor dependendo da luz. No sol, por exemplo, puxa um pouco mais para o laranjinha. Já em ambientes fechados, ainda de dia, fica um cobre não muito chamativo. À noite, dependendo da luz, puxa para um castanho/cobre. Ah, e em mim ela não está desbotando muito, com exceção da raiz que está difícil pegar a cor. Acho que meu cabelinho está se acostumando ao cobre. Muito amor, gente!

A tinta custou em torno de R$26 na Make Cosméticos de São Vicente (eles também tem site, viu?). A água oxigenada que usei, tanto a de 30 vol (comprimento) quanto a de 40 vol (raiz), são da marca Acquaflora. Eu me dei super bem com ela, pois não arde, não resseca os fios, não coça e não tem cheiro ruim. Além disso, custa bem menos que outras marcas mais "conhecidas". Acho que encontrei meu kit ruivo favorito! (foda está achar a tinta por aqui haha)

E vocês? Curtiram a tinta? O que acharam do post? Comentem aí! E não se esqueçam de enviar perguntas sobre o ruivo. Quero montar um post só com as dúvidas que recebo. Espero sua participação! <3